UEP – Unidade de Esforço de Produção

O método UEP é uma proposta de gestão estratégica de custos de produção onde, além da precisão técnica das informações obtidas, obtém-se, de maneira clara, subsídios à melhorias dos processos de fabricação, informações apontando onde devem ser realizadas ações de redução de custos, como gerir de maneira eficiente a produtividade da fábrica, analisar as reais capacidades fabris e comparar os diversos processos de fabricação de produtos das mais diferentes naturezas e inclusive de plantas fabris distintas, promovendo um benchmarking interno dos processos de fabricação..

 

A produção de uma fábrica durante um determinado período corresponde ao conjunto de objetos fabricados, sejam eles acabados, semi-acabados ou em andamento. Como medir esta produção?

 

Até agora, fora o caso da fabricação de um único produto, as quantidades e tipos de artigos fabricados só podem ser enumerados; trabalho demorado, com pouco significado em relação ao total da produção de uma empresa. Para ter uma idéia da produção, faz-se necessário recorrer a uma unidade de medida entre as já existentes: metro, quilograma, etc., que possa aplicar com menor mal ao gênero de artigos fabricados.

Número de peças e metros na tecelagem e confecções, quilograma na fundição e mecânica, horas de trabalho em certos casos, etc., são todas unidades imperfeitas, que não podem representar o verdadeiro valor da produção. Em resumo, a produção geralmente não dispõe de uma unidade de medida própria para medi-la, quaisquer que sejam os produtos fabricados.

 

A unificação da medida da produção completa esta dúvida fundamentando-se na noção de esforço de produção. Esta nova noção representa, para uma máquina funcionando, o esforço humano, o esforço da própria máquina, o esforço dos capitais, o esforço da energia aplicada e outros direta e indiretamente aplicados. Os esforços de produção, assim definidos, provenientes de todos os setores da fábrica e de todas as máquinas de cada setor, não obstante de suas origens mais diversas como torno, frezadora, retífica, montagem, etc., possuem a propriedade fundamental de serem adicionados.

 

Pode-se então, conceder o esforço de produção total de uma fábrica como resultante da soma de todos os esforços de produção parciais desenvolvidos em cada posto operativo (operações de trabalho). Cada produto, por mais numeroso e diversificado que seja, poderá ser medido pela quantidade de esforço que foi necessário para fabricá-lo, uma vez que este produto foi concebido através da passagem por diversos locais de trabalho que por sua vez realizam tal esforço. O esforço de produção é o trabalho realizado pela fábrica para transformar a matéria-prima em produto acabado. Este trabalho realizado pode ser chamado de esforço e ele será composto de esforços humanos, capital, energia, etc…

 

Para medir o esforço de produção, consideramos um torno e uma frezadora trabalhando dentro de condições bem definidas. Estas duas máquinas desenvolvem, por hora, esforços de produção, cujo valor absoluto fica abstrato. Mas um elemento pode ser definido, calculado e medido: a relação entre os dois esforços. Isto leva ao princípio básico do método, o Princípio das Constantes Ocultas:

"Quaisquer que sejam os preços unitários, os esforços de produção desenvolvidos pelas diversas operações elementares de trabalho de uma fábrica estão interligados entre si por relações constantes no tempo."

 

O sistema mede, em um determinado momento, todos os esforços de produção em dinheiro e calcula as relações entre eles. Feito isto, o dinheiro é abandonado e o sistema opera sobre as relações, que assumem a denominação de UEP – Unidade de Esforço de Produção. Os esforços de produção de cada posto de trabalho são expressos e medidos em quantidades de UEP/h e os inúmeros produtos pelo número de UEP’s que acumulam durante seus respectivos processos produtivos. O total dos esforços de produção em UEP’s, que é igual à soma de cada produto, mede a produção da fábrica. A valorização periódica das UEP’s em dinheiro, cálculo bem simples, representa seu valor monetário no momento, podendo assim quantificar em UEP’s e em dinheiro qualquer produto ou produção por mais diversificada que seja.

 

As UEP’s – Unidade de Esforço de Produção, mantêm-se constantes por longo tempo. A teoria admite isto, e a prática demonstrou que recálculos de revisão feitos depois de 5 ou mais anos em várias empresas, onde houveram notáveis ampliações em locais, homens, máquinas, apresentam variações insignificantes nas UEP’s, confirmando paralelamente sua constância no tempo. Todos os teoremas e princípios foram amplamente estudados por importantes universidades no Brasil (Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC e Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS), comprovando sua aplicabilidade e confiabilidade, através de teses de mestrado e doutorado, apresentando com isto um alto grau científico ao método das UEP’s.

 

O QUE O MÉTODO UEP – Unidade de Esforço de Produção PROPORCIONA

 

              » Eficaz redução de custos em função das informações precisas fornecidas pelo método. Através do conhecimento do custo do processo de fabricação em cada operação de trabalho permite o conhecimento real das oportunidades de redução de custos das operações que realmente agregam custo ao produto. Cria uma visão clara dos custos do processo de fabricação do produto, ou seja, visão clara de prioridades de racionalização.

              » Grande clareza e precisão em saber quem perde e quem ganha, até entre milhares de produtos através do conhecimento do custo de cada produto em relação ao seu desempenho de vendas e preços praticados no mercado, ou seja, pode-se calcular a real rentabilidade de cada produto com grande precisão.

              » Substancial e rápida melhoria dos lucros reais da empresa em função do estudo aprimorado do seu mix de vendas, corrigindo possíveis desvios de ênfase de vendas e priorizando produtos que realmente agregam valor ao resultado da companhia.

              » Conhecimento rigoroso da capacidade fabril instalada e utilizada na fábrica e nas suas seções. Este conhecimento da capacidade oferece aos dirigentes industriais a noção clara de quanto pode ser produzido no setor, unidade, fábrica, etc., para poder aproveitar ao máximo a capacidade ociosa e com isto reduzir o custo de fabricação pelo ótimo aproveitamento da capacidade disponível.

              » Aumento de volume de vendas pela venda eventual da Capacidade Ociosa a Lucro Zero, ou seja, se existe uma capacidade ociosa por que não ocupá-la com uma produção de algum produto e vendê-lo ao menor preço que pode ser praticado, o preço de equilíbrio (lucro zero)? Assim aumenta-se a produção reduzindo os custos de fabricação.

              » Possibilidade para os Dirigentes Técnicos de conhecer os processos de fabricação, durante o próprio processo, em UEP – Unidade de Esforço de Produção, unidade fixa, independente do dinheiro, sem necessitar de informações contábeis. A metodologia oferece um instrumento poderoso de comparabilidade de produtos em uma unidade não monetária, ou seja, que não é influenciada por distorções monetárias como inflação, etc. Podemos comparar o esforço de fabricação de um produto produzido em uma unidade com o esforço do mesmo produto produzido em outra unidade e descobrir qual deles absorve o maior esforço de fabricação. Posteriormente calcularemos o custo deles para avaliar o resultado monetário que envolve ociosidade da fábrica, região de localização, etc.

              » Valiosas e seguras diretrizes econômicas para lançamentos de novos produtos ou compra de novas máquinas. Conhecendo os esforços de cada operação de cada processo de fabricação fica extremamente fácil a realização de estimativas técnicas dos processos dos novos produtos, fazendo com que possamos conhecer os custos dos produtos em projeto de uma maneira fácil, rápida e muito precisa. Isto é realmente muito importante para avaliar a rentabilidade deste futuro produto, utilizando inclusive a metodologia de "Target Costing" (Custo Alvo), onde a metodologia UEP se encaixa perfeitamente.

              » Substancial agilização de todos os controles fabris visto que o método cria uma única unidade de medida para os diferentes produtos produzidos em uma empresa. Portanto pode-se controlar produção, produtividade, etc. de centenas de produtos diferentes e expressar os resultados com uma única unidade de medida a UEP – Unidade de Esforço de Produção.

              » Desburocratização, necessitando um mínimo de pessoal para operacionalização do método, visto que o conceito de funcionamento da ferramenta é de dividir as responsabilidades em função das habilidades de cada segmento da empresa, por exemplo a área industrial deve ficar responsável por toda a informação dos processos dos produtos, visto que são eles que detém este conhecimento e assim por diante, utilizando os recursos da empresa para operacionalização do método.

              » Integração no sistema de processamento de dados da empresa sem nenhuma complicação, nem pessoal adicional, bastando para isto criar somente as devidas interfaces necessárias para que a metodologia seja abastecida com as devidas informações, como por exemplo, produção, etc.

              » Permite sua implantação e utilização paralelamente ao sistema vigente em sua empresa sem qualquer interferência nos resultados do mesmo. A empresa pode continuar a efetuar o cálculo dos custos da mesma forma com que está acostumada e com isto fazer a comparação dos novos resultados com os antigos e confrontar as duas metodologias, colocando-as em teste para o aprimoramento da confiabilidade da nova sistemática até a decisão final de qual delas deverá ser a metodologia padrão.

              » De fácil integração com softwares de gestão empresarial (ERPs) como por exemplo, SAP, BPCS, MAGNUS, BAAN, entre outros. Esta integração é feita de uma forma fácil e descomplicada visto que estas tecnologias de ERP, ou seja, softwares de gestão empresarial, utilizam sempre o conceito de banco de dados, portanto fica extremamente fácil a obtenção das informações necessárias para o funcionamento e geração dos custos, bem como o processo inverso de alimentação do sistema ERP da empresa com os dados gerados no custos pelas UEP’s – Unidades de Esforço de Produção.

              » Várias empresas clientes da Tecnosul utilizam a metodologia UEP – Unidade de Esforço de Produção para parametrizar custos gerenciais e contábeis no seu sistema ERP implantado.
OUTRAS APLICAÇÕES DA METODOLOGIA UEP – Unidade de Esforço de Produção

              » Benchmarking Interno dos processos de fabricação através da comparação dos processos e produtos utilizando uma unidade de medida padronizada e comparável e não monetária.

              » Análise de rentabilidade utilizando o conceito tradicional de Margem de Contribuição mas também considerando o esforço para produzir o produto, ou seja, cria-se o conceito Contribuição x Esforço.

              » Análise de investimentos utilizando a ferramenta UEP – Unidade de Esforço de Produção para cálculos de retorno de investimento na substituição de equipamentos, ajustes de Lay-out, compra de acessórios específicos, etc. voltada ao conceito industrial, ou seja, com o foco na produção.

              » Utilização da metodologia ABC (para avaliação dos custos de overhead) juntamente com UEP – Unidade de Esforço de Produção (para a avaliação dos custos de produção), conforme efetuado no "Case" O Boticário e que deu origem a plena unificação destas duas metodologias de custeio absolutamente integradas.

              » Custos nos transportes de cargas e passageiros (aéreos, terrestres e marítimos) utilizando a tecnologia UEP aplicada a estes ramos de atividades.

              » Avaliação dos tipos de custo agregados ao produto no seu processo de fabricação, por exemplo, total de custos de máquinas, operações manuais, transportes internos, checagem de qualidade, fiscalizações obrigatórias, etc. de acordo com a necessidade e interesse do cliente.

              » Utilização do conceito de custos que agregam e não agregam valor ao produto no seu processo de fabricação e sua classificação segundo sua influência na qualidade do produto. Conceito este desenvolvido pela tecnologia ABC e perfeitamente aplicável na medição do custo de fabricação.

              » E outras utilizações que estão e podem ser desenvolvidas em cada nova aplicação de utilização da ferramenta UEP – Unidade de Esforço de Produção, visto que o objetivo principal da aplicação da ferramenta na empresa cliente pela Tecnosul é moldá-la a operacionalização e métodos de trabalho da empresa cliente e não implantá-la como uma pacote rígido.

Gostou da nossa solução? Entre em contato conosco!

© 2016 por Tecnosul Consulting.

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon